Tower Bridge

O que fazer em Londres gastando pouco!

Londres, a capital da Terra da Rainha é uma das cidades mais populosas e famosas de todo mundo. Ônibus de dois andares, cabines telefônicas vermelhas e o icônico relógio Big Ben. O tempo em Londres parece passar muito rápido quando se está conhecendo a cidade.

Para chegar às diversas atrações turísticas é possível muito bem utilizar o transporte público, já que a malha metroviária é bem abrangente e te leva para vários cantos da cidade.

No imaginário de muitos brasileiros, a cidade com frequência é lembrada pelos dias cinzas e chuvosos. Mas eu garanto, existem dias incrivelmente azuis nesta cidade (embora isso possa ser mais raro e mudar bem rapidamente :P) e a arquitetura possibilita apreciar o horizonte, algo pra deixar qualquer um surpreso e encantado.

Extremamente multicultural, a capital inglesa é cheia de opções de lazer, não falta o que ver e fazer. Uma cidade grande, magnífica, cheia de história e com gente de toda parte já seria motivo para estar no roteiro de qualquer pessoa que viaje à Europa.

Porém, um obstáculo enfrentado por brasileiros que viajam com o orçamento apertado é a diferença entre o valor do Real e da Libra, cotada em R$6,79 em abril/2020.

A boa notícia é que apesar dessa diferença, é possível se divertir muito nessa cidade gastando pouco, vou apresentar algumas opções de passeios baratos que valem super a pena para desfrutar essa metrópole.

 Passeio pelo Thames River – South Bank

Andar é de graça, e caminhar nos arredores do Rio Tâmisa é um passeio imperdível para quem visita Londres. Às suas margens há várias atrações culturais e turísticas, muito embora eu considere o próprio rio como uma delas.

Rio Tâmisa

Seja para sentar na grama, olhar o horizonte, se dar conta de que há gente de praticamente todo o mundo por ali, ou simplesmente observar a vida pulsando são ótimas ideias para os que gostam de atividades mais apreciativas.

A minha região preferida para isso é a do SouthBank que pode ser acessada pela estação de trêm e metrô Waterloo. A própria estação já é um convite a observar, seja pela arquitetura da fachada da estação ou pelo vai e vem dos londrinos.

Uma sugestão é tomar um café (ou suco no meu caso) em uma das lanchonetes da estação, e tirar algumas impressões sobre a cidade.

Se der sorte, ainda conseguirá ouvir artistas de rua que cantam incrivelmente bem fazendo shows no hall de entrada da estação.  (lembre-se de contribuir com o trabalho deles, algumas moedas já podem ser suficientes J)

É também na região do SouthBank que está localizada aquela que deve ser a roda gigante mais famosa do mundo, a London Eye! O ingresso custa na faixa das 30 libras, o que é bem salgado quando convertido.

Se o seu caso é o de um viajante com orçamento contado, há outras opções para ter uma vista panorâmica da cidade, como o Sky Garden que vou abordar no próximo post. Agora caso seja o seu sonho andar nesta roda gigante, realize-o, você estará diante dele, e lembre-se: quem converte não se diverte.

Ainda nessa região, é possível conhecer o SouthBank Centre que é um Centro Cultural com teatro, café, apresentações musicais, que lembra muito os SESCs que temos em São Paulo.

Vale a pena checar a programação, aviso que as atrações geralmente são pagas, mas é possível que esteja rolando algo gratuito. Já estive em um festival de música caribenha gratuito lá!

Para quem não sabe o Reino Unido colonizou algumas ilhas do Caribe (Jamaica, Bermudas, Barbados, etc) e há uma parcela significativa de imigrantes caribenhos vivem em Londres.

Seguindo pela margem do rio em direção à Tower Bridge, outros pontos de destaque são :

O Tate Modern, museu de Arte Moderna, em que é possível conferir o acervo principal gratuitamente, ingressos são cobrados apenas para algumas mostras temporárias.

Tate Modern Museum e Millennium Bridge

Essa dica pode não ser muito útil se você não gosta de Arte Moderna, sei que pra muitos ela é uma viagem. Se a sua preferência for arte mais convencional, o seu lugar é a The National Gallery, com quadros de artistas renomados como Cézanne, Monet, Van Gogh, entre outros.

A entrada também é gratuita, só que a galeria está localizada do outro lado da margem do rio, na Trafalgar Square, um pouco distante, mas também dá pra ir caminhando até lá.

Continuando os pontos interessantes aos redores do Tâmisa, há a Ponte do Milênio, uma passarela que cruza o rio destinada apenas a pedestres , que foi inaugurada no ano 2.000, por isso que ela leva esse nome, Millenium Bridge.

É um ótimo lugar para apreciar a paisagem, ao fundo é possível ver a cúpula da St. Paul’s Cathedral, sendo um ótimo cenário pra fazer aquelas selfies e mais um local em que artistas de rua costumam tocar.

De volta à margem Sul do Tâmisa, há ainda o Shakespeare Globe, uma réplica do Teatro em que o grande autor apresentava suas obras.

Sheakespeare Globe

Dá para admirar a construção pelo lado de fora, mas se estiver curioso para conhecer por dentro, é possível fazer um tour guiado que é pago, ou então assistir a uma peça, o que pode ser um tanto desafiador até para quem tem o inglês avançado.

Porém, mesmo sem entender o que é dito pelos atores, vale a experiência de visita-lo e pensar que esta era uma das formas de entretenimento na Londres do século XVII, quando não existia rádio, TV nem Netflix.

Os ingressos para ver as apresentações em pé são mais baratos, assim como eram na época do Shakespeare, e o pessoal assiste à peça em pé mesmo, tomando cerveja. Um detalhe importante para mencionar é que a área destinada para o público em pé não é coberta, o que pode ser complicado num dia chuvoso ou mais frio.

Se eu disser que ainda há muito o que ver nessa região, você acredita?

Falando ainda sobre passeios baratos para realizar em Londres, é hora de apresentar mais algumas atrações localizadas na margem Sul do Rio Tâmisa.  Para facilitar a localização, o a estação de metrô London Bridge é a mais próxima da região em que estão localizadas as atrações a seguir.

Agora é hora de falar de um ponto turístico que não está à margem e sim no próprio rio, estou falando do HMS Belfast, navio da Marinha Britânica utilizado na Segunda Guerra Mundial e se tornou um navio museu.

Ele fica permanentemente ancorado bem no coração de Londres e é aberto a visitação.

HMS Belfast

A entrada custa em torno de 15 libras, vale a pena se você quiser ter a experiência de entrar e ter a sensação de como era a vida dos marinheiros em alto mar durante a guerra, mas caso queira economizar essa grana você pode observar esse gigante  enquanto continua caminhando pela margem do Rio.

Como falado no post anterior essa região é cheia de artistas de rua que sempre estão tocando e cantando. Eles mandam muito bem! Vale a pena sentar ouvir aquela música bacana e também contribuir com o trabalho deles.

Há ainda diversos restaurantes, pubs e cafés nessa região, alguns com preço salgados outros nem tanto, é também uma opção se aventurar e provar algo.

Se você como eu, adora uma vista panorâmica e fica admirado com prédios modernos, com certeza vai ficar impressionado com o The Shard.

The Shard

Este é o maior prédio do Reino Unido, ele é todo espelhado e chama a atenção de qualquer um que passe pela região. Inaugurado em 2012 o imponente prédio possui 306 metros de altura e 95 andares.

A visitação aberta ao público para curtir a vista panorâmica está disponível nos andares 68, 69 e 72, e o ingresso custa a partir de 25 libras, o que me fez ficar contemplando o prédio só pela rua mesmo, rsrs… o bom é que existe uma outra opção de vista panorâmica, muito boa e gratuita!

Do outro lado do rio, num prédio apelidado de “Walikie Talkie” por conta do formato, está o Sky Garden, um jardim localizado na cobertura do prédio que também é muito bonito, moderno e todo espelhado, mas com uma altura mais modesta quando comparada ao Shard.

O walikie-talkie building

São 160 metros de altura e uma vista panorâmica também de 360º graus a partir do 35º andar,  a visão da cidade que se tem de lá é simplesmente espetacular!

A entrada é gratuita, mas requer que você faça a reserva de seu ingresso online e, pela procura, costumam acabar bem rápido. Por isso, é importante acessar o site com pelo menos três semanas de antecedência de sua viagem e ir acompanhando a disponibilidade de ingressos.

Uma excelente opção para ver Londres de cima e sem pagar nada!

Voltando para a margem Sul do Tâmisa, existe uma Catedral Anglicana bem bonita, chamada SouthWark Cathedral , é a Catedral em estilo gótico mais antiga da cidade.

O som dos sinos tocando em determinados horários é bem melódico e diferente do que eu estava acostumado. Eu que não sou muito fã de entrar em igrejas, recomendo uma passada por lá, vale a pena. Entrada grátis.

Continuando… na região é possível também conhecer o tradicionalíssimo Borough Market., dizem que ele existe há mais de 1.000 anos!

É muito parecido com os nossos mercadões, vale a pena o passeio, frutas, verduras, frutos do mar, pães, queijos, muitas comidinhas e doces maravilhosos.

E para fechar essa série sobre os pontos turísticos na margem sul do Rio Tâmisa, é hora de falar de um dos cartões postais mais famosos da cidade: A Tower Bridge.

Tower Bridge

Esta é uma ponte levadiça com uma estrutura muito bonita que lembra a torre de algum castelo. Os carros passam normalmente sobre a ponte e os pedestres também podem cruzá-la, há também a possibilidade de subir em um pavimento superior para ter uma visão panorâmica, para isso o ingresso custa por volta de 12 libras!

Cá entre nós, existem lugares melhores para se ter vista panorâmica da cidade como já mencionamos nesse post. Se mesmo assim o dinheiro estiver sobrando, eu sugeriria gastar essas 12 libras em alguma outra atração.

O bacana desse ponto turístico, na minha opinião, é cruzar a ponte e observar mais uma vez o rio e a paisagem da cidade.

Além disso, você também pode se programar para ver o momento em que o trânsito é fechado para carros e pedestres e a ponte é içada para permitir a passagem de alguma embarcação. Nesse site é possível ver os horários programados para isso.

Tower Bridge

Bom, essas foram dicas para aproveitar Londres economizando com atrações turísticas, espero que curtam bastante essa cidade e com essas dicas com certeza você vai conseguir economizar.

Lembre-se sempre de acessar os sites das atrações pra checar os preços, horários de funcionamento ou necessidade de agendar entradas. Bye Bye!

Sobre Jonatas Fontes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *