Home » Europa » Viagem para Paris, veja o que fazer na Cidade Luz e os meus monumentos preferidos
Paris vista do topo do Arco do Triunfo.

Viagem para Paris, veja o que fazer na Cidade Luz e os meus monumentos preferidos

Montmartre, Arco do Triunfo, Torre Eiffel, Notre Dame – esses são alguns dos lugares e monumentos mais famosos de Paris e do mundo, e eu, como qualquer viajante, sempre tive vontade de conhecê-los. Estive em Paris em julho de 2013 e foi uma experiência muito legal porque além de eu estar realizando o meu sonho de ir para a Cidade Luz, era também a minha primeira viagem internacional.

Como uma iniciante em mochilão, eu contei com a ajuda de várias pessoas que já tinham ido para o exterior, da internet, dos guias de viagem etc. Nesse relato, vou contar um pouco sobre os lugares que visitei. É impossível falar tudo que a capital da França oferece, né? Paris é uma das cidades referência em turismo, moda, arte, gastronomia etc., então, a ideia aqui é fazer uma “palhinha” sobre essa cidade encantadora para deixar você com vontade de ir (ou voltar) para lá.

Montmartre

Caminho do hostel para a Sacré-Coeur.
Caminho do hostel para a Sacré-Coeur.

Decidi começar a falar sobre Montmartre por ter sido o meu primeiro contato parisiense, pois me hospedei em um hostel* de lá. Montmartre é um bairro bem legal, que fica ao Norte de Paris, no 18º arrondissement (termo francês para se referir aos vinte distritos parisienses). Alguns dos pontos turísticos que estão lá são: Basilique du Sacré-Coeur, Moulin Rouge, Place du Tertre (a praça que vive repleta de pintores), Muro do Eu Te Amo (Le Mur des Je t’aime) etc.

Assim que cheguei ao hostel, eu corri para a janela do quarto para ver a vista. Foi bem legal ver as casas e os prédios daquele jeitinho que vemos nos filmes. Dessa janela, era possível ver a Basilique du Sacré-Coeur.

Nesse mesmo dia, fui passear pelo bairro. Paris tem muitas estações de metrô, mas acabei indo a pé para me familiarizar com a região. Claro que é legal e importante montar um roteiro dos lugares, mas também vale muito a pena andar um pouco sem rumo, pois, no mínimo, você terá a chance de conhecer outros bistrôs e ruas charmosas.

O que visitar:

a)      Basilique du Sacré-Coeur

A igreja, construída a partir de 1875, é muito bonita e a vista da colina, onde fica a Sacré-Coeur, é a mais alta de Paris – é possível ver grande parte da cidade! Prepare-se para subir os 234 degraus que ligam a igreja ao pé da colina.

Site da Basilique du Sacré-Coeur

Endereço: 35, Rue du Chevalier de la Barre. Metrô: Abbesses ou Anvers.

Horário de funcionamento: todos os dias, das 6h às 22h30.

Paris_3

b)      Moulin Rouge

Que tal visitar um cabaré, que tem mais de 120 anos, e é considerado um dos mais tradicionais da cidade? Já dá pra imaginar que os valores dos espetáculos não são os mais atraentes, né? Eu me contentei apenas em vê-lo por fora, mas para quem estiver muito a fim de ver algum show, recomendo que entre no site do Moulin Rouge para ver a programação (e já ir usando isso como desculpa para ir logo à Paris, rs). A rua onde fica o cabaré é muito eclética! Entre outras coisas, lá tem sex shops, e como não poderia faltar, o Museu do Erotismo.

Site do Moulin Rouge

Endereço: 82, Boulevard de Clichy. Metrô: Blanche.

*Eu fiquei no Le Montclair, um hostel bem bacana. A diária, na época, custava em torno de 34€. O hostel é bem limpo e organizado. O único problema é que as pessoas fazem check-in duas vezes. Muito bizarro! Eu fiquei cerca de três noites em um quarto, aí tive que fazer check-out, liberar esse quarto de manhã para então fazer outro check-in no período da tarde. Apesar disso, gostei bastante do hostel. O café da manhã é muito bom!

Endereço: 62, Rue Ramey. Metrô: Jules Joffrin.

Paris_4

Champs-Elysées e grands boulevards

A Avenida Champs-Elysées é o endereço oficial das grandes marcas de luxo do mundo, então, como se pode imaginar, essa região é completamente diferente de Montmartre, um bairro muito boêmio e descolado. Ao final dessa avenida e juntamente com outras onze é que se encontra o Arco do Triunfo, um dos símbolos do império de Napoleão Bonaparte. Pra ser sincera, não fiz muitas coisas nessa região, basicamente eu dei uma volta na Avenida Champs-Elysées, fui à Place de la Concorde e subi ao Arco do Triunfo. Ah, essa avenida liga, justamente, essa praça ao arco.

O que visitar:

a)      Place de la Concorde

Foi nessa praça, construída entre 1755 e 1775, que Luís XVI e Maria Antonieta tiveram a cabeça decapitada por uma guilhotina, em 1793. O obelisco que está lá foi trazido do Egito. Com certeza vale a pena passar lá para admirar o obelisco de granito rosa que tem mais de 3300 anos e os detalhes das estátuas.

Metrô: Concorde.

Paris_5.1  Paris_5.2

b)      Arco do Triunfo

O arco, de 50 metros de altura, foi inaugurado em 1836. Você pode (e deve) visitar o interior do Arco do Triunfo, basta estar com pique para subir os 284 degraus – vale a pena, mesmo! Além da vista, você também poderá conhecer o pequeno museu sobre a história da construção. Do terraço, é possível ver as doze avenidas que cercam o arco, o La Défense, um bairro comercial e futurista. Ah, o Paris Museum Pass** é muito bem aceito no Arco do Triunfo, ou seja, você não precisa comprar ingresso.

Site do Arco do Triunfo

Endereço: Place Charles de Gaulle. Metrô: Charles de Gaulle-Étoile.

Horário de funcionamento: em média das 10h às 22h30 (depende da época do ano).

** Paris Museum Pass

O Paris Museum Pass é um passe que dá direito a visitar mais de sessenta museus (Louvre, Orangerie, Centre Pompidou, Rodin etc.) e outros monumentos de Paris e dos seus arredores. Há três tipos de passes – para 2, 4 ou 6 dias – e cada um tem um valor fixo. No caso se a pessoa for ficar em Paris durante 8 dias, mas não é muito chegada em visitar museus, acho que vale a pena comprar o passe de quatro dias. Procure comprar esse passe assim que chegar em Paris. Não compensa comprar on-line, pelo valor do frete, mas não se preocupe, pois você poderá comprá-lo em qualquer FNAC, alguns museus, como o Louvre, ou até mesmo no aeroporto Charles de Gaulle. Você irá se agradecer muito por ter comprado o passe, quando vir que ele vai te livrar de uma fila imensa do Louvre – quem não tem esse passe, precisa pegar duas filas (uma para comprar o bilhete e outra para entrar no museu). Com o passe, você só vai pegar a fila para entrar e, dependendo do horário, vai ser muito tranquila. Procure ir bem cedo ao Louvre!

Paris_6

Vista do alto do Arco do Triunfo. Ao fundo é possível ver o La Défense.
Vista do alto do Arco do Triunfo. Ao fundo é possível ver o La Défense.

 Torre Eiffel e 16º arrondissement

Será que tem um monumento mais parisiense do que a Torre Eiffel?! Ela está em todos souvenirs, nas fotos, em todos os lugares.  Está certo que hoje em dia, ela é a “queridinha”, mas nem sempre foi assim, pois, a torre, inaugurada em 1889, já foi muito criticada pelos franceses. Confesso que eu não subi nela (foi uma opção minha), mas consegui ir lá três dias para admirar a iluminação e os 324 metros de altura dela.

O que visitar:

a)      Torre Eiffel

Se você quiser subir na torre, programe-se para isso, pois as filas são imensas, principalmente entre o final da tarde e o começo da noite. Como disse, eu não quis subir na torre (vou usar isso como desculpa para voltar à Paris), mas quando for, vou comprar aqui o ingresso on-line. A minha amiga Camila, que também esteve em Paris – e subiu na torre –, me disse que é possível subir o primeiro lance de escada de graça. Depois, no segundo andar, você tem a opção de comprar dois tipos de passe: um que vai “quase” até o topo, e outro que vai até o tão esperado topo. Vale muito a pena a vista!

Site da Torre Eiffel

Endereço: 1, Quai de Grenelle. Metrô: Champ de Mars-Tour Eiffel ou Bir Hakeim.

Horário de funcionamento: todos os dias, em média das 9h30 às 23h (depende da época do ano).

Paris_8  Paris_9

b)      Parc du Champ de Mars

O parque fica a oeste da Torre Eiffel. É bem legal sentar na grama pra fazer piquenique, conversar… É nessa área também que fica o Mur pour la Paix (Parede da Paz).

10º arrondissement

O que visitar:

Canal Saint Martin

Você já assistiu ao filme “O fabuloso destino de Amélie Poulain”? (veja o trailer aqui) Se sim, acho que você vai se lembrar de um canal que aparece no rio (não vou fazer spoiler). Pois é, é o Canal Saint Martin. Depois de assistir várias vezes ao filme, eu fiquei muito ansiosa para conhecer esse canal, inaugurado em 1825, que liga os canais do subúrbio leste com o Rio Sena. O canal tem 4,5 km de extensão e é muito lindo! Aliás, não só ele e sim toda a região ao seu entorno.

Paris_10

Você viu que Paris tem uma infinidade de lugares para conhecer, né? São tantos museus, marcos históricos, restaurantes etc., e, justamente por isso, cada bairro tem as suas particularidades. Quer uma dica? Independentemente do tempo que você for ficar lá, reserve pelo menos uma parte do dia (manhã, tarde ou noite) para conhecer esses bairros e se programe para ver as atrações que você considera como as mais interessantes e, além disso, aproveite também para passear sem seguir um roteiro à risca.

Como era se esperar, o post vai continuar na próxima semana. Antes de a gente prosseguir o nosso passeio por Paris, gostaria que você assistisse ao filme da Amélie. Esse filme tem tudo a ver com Paris, principalmente com Montmartre, o primeiro bairro ao qual me referi. Já adianto que você vai assisti-lo e vai ficar com muita vontade de ir para lá. Além do filme, aproveito para indicar um livro que também vai te deixar mais apaixonado pela Cidade Luz… Enverede-se pela Paris de Hemingway! Paris é uma festa é um livro póstumo do escritor que passou uma parte da sua juventude, na década de 1920, em Paris. É um livro de memórias que apresenta vários escritores consagrados, como James Joyce e Ezra Pound. Como diria o autor: “Paris continua dentro de nós” (menção ao nome de um capítulo do livro).

O que você está achando dessa “viagem”? Compartilhe a sua experiência nos comentários!

Referências:

Livro

Hemingway, Ernest. Paris é uma festa. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

Filme

Le fabuleux destin d’Amélie Poulain

Sobre Natália Leal

Natália Leal é paulista de Penápolis e tem 26 anos. É formada em Letras, dá aulas de francês e trabalha também com projetos educacionais. Gosta de ouvir música, sair para conhecer lugares em São Paulo, fazer passeios gastronômicos e viajar, aliás, adora trocar figurinhas sobre viagens com os amigos.

2 Comentários

  1. Com Certeza fiquei com vontade de fazer uma viagem à Paris, adorei a descrição dos lugares e o cuidado sobre informações sobre o funcionamento desses lugares e os horários!
    Fiquei Muito curiosa para conhecer o Moulin Rouge! rs !,achei interessante a rua eclética,sex shops,e o museu do Erotismo…,me surpreendeu!,não imaginava rs!
    Ah o Filme Amélie é maravilhoso! Uma ótima referência!!!
    Foi um prazer ler o relato da minha amiga Natália! parabéns pelo relato e obrigada por compartilhar parte da sua experiência Dessa viagem maravilhosa!

  2. Fran, muito obrigada pelo comentário! 🙂 Da próxima vez vamos para lá. Amélie é muito legal, né? Já vi esse filme várias vezes e não canso. Rs Obrigada mesmo pela sua opinião. beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *