Home » América do Sul » Machu Picchu – Relato de viagem

Machu Picchu – Relato de viagem

Machu Picchu – a cidade perdida dos Incas

Machu Picchu, em Quechua (língua falada dos Andes) significa “montanha velha”, é considerada uma das 7 maravilhas do mundo moderno e também foi declarado Patrimônio Cultural e Natural da Humanidade pela UNESCO. Está localizado no sudeste do Vale de Huataney ou Vale Sagrado dos Incas, na região Andina do Peru.

Montanhas de MP e HP logo
Machu Pichu

Este lugar, coberto de mitos e de arquitetura impressionante, foi descoberto em 1911 por Hiram Bingham e sua descoberta foi divulgada em 1913 pela National Geographic link.

 


Como chegar lá?

De trem

Se você decidir ir de trem (Peru Rail) até Águas Calientes, há duas opções de estações em que pode-se embarcar:

  1. na estação Poroy (que fica a uns 20min de Cusco) e desembarcar na estação Machu Picchu Pueblo (que fica num vilarejo de Águas Calientes). Atenção para quem quer visitar MP de janeiro a abril de 2015, pois não haverá trens operando entre Cusco e o Vale Sagrado, sendo assim a estação Poroy estará fechada. Para maiores informações acesse…..link que eu criei
  2. na cidade de Ollantaytambo (localizada no Vale Sagrado). A primeira opção leva em torno 4 horas de viagem e a segunda, cerca de 2 horas.
    Peru Rail

Para informações sobre os assentos e vagas nos trens, acesse o site da Peru Rail:

Página principal

Contato

Preste atenção, pois são vendidas diferentes classes de assentos (Vistadome, Expedition e Hiram Bigham). A classe Expedition é a mais barata.

 

Pela hidrelétrica de Santa Tereza

Há ônibus ou vans que saem de Cusco e seguem até a hidrelétrica de Santa Tereza, em uma viagem de aproximadamente 4 horas (sem pausas). Em Santa Tereza, é feita uma parada para almoço. Após a refeição, são mais 7 km beirando os trilhos do trem para chegar em Águas Calientes, onde você poderá jantar e repousar para no dia seguinte subir até MP.

Caminho beirando os trilhos do trem

 

Por trilhas                           

Trilha Inca Salkantay: 5 dias e 4 noites

São desafiadores 75 km de chão entre montes nevados, rios e cachoeiras, paisagens deslumbrantes, matas fechadas e terras áridas.

As temperaturas variam entre -5ºC a 26 ºC; altitudes entre 1.800m e 4.650m acima do nível do mar.

Mapa da trilha

Atenção: Este trilha você pode fazer sem guias, pois é habitada pela população rural e tem estruturas para camping e compra de comida.

 

Trilha Inca Clássica: 4 dias e 3 noites

São cerca de 44 Km de trilha, passando por vários sítios arqueológicos, em terreno íngreme, com degraus na rocha e uma altitude que vai até 4200m acima do nível do mar.

Se empolgou nos 44km? Acesse o site e veja a disponibilidade de data para se aventurar!

Site

Mapa da trilha

 

Trilha Inca Curta: 2 dias e 1 noite

Uma trilha de mais ou menos 15 km, menos exigente que as outras anteriores. Passa pelo sítio arqueológico Wiñayhuayna e por Inti Punku (chamada de porta do sol).

Detalhe: Não é permitido fazer estas duas últimas trilhas sozinho. Se você é um desbravador nato, um curioso, aventureiro metido a Indiana Jones, esqueça. Somente são autorizadas 500 pessoas por dia a percorrerem este caminho.

 


O que levar para as trilhas?

Você pode ter algumas opções do que carregar: 1) Deixar sua mochila na agência que contratou o serviço ou no hostel em que ficou hospedado (podem te cobrar ou não por isso) 2) Ser corajoso e levar tudo sua bagagem nas costas ou 3) Pagar para que alguém carregue sua cargueira por você e daí você fica só como necessário.

 

Vale lembrar também de levar:

Cantil

Capa de chuva (a variação durante o percurso pode variar bastante)

Saco de dormir (se você não alugou)

Para o frio: gorro, luvas e meias grossas

Repelente

Óculos de sol (a neve reflete a luz solar) e filtro solar

Lenço umedecido (o banho é precário e disputado)

Papel higiênico

Lanterna

Câmera fotográfica

Trocas de roupa

Calçado (de preferência impermeável e confortável)

Bastão de apoio (para poupar os joelhos)

Toalha (de preferência aquelas com alta absorção e secagem rápidas. Você encontra em lojas especializadas em aventura)

 


 Como se vestir

Vou ser sincera: o número de trocas de roupas é contigo! Há quem faça todo o percurso com uma troca somente e há os precavidos que levam mais trocas. Mas um conselho que posso dar é: se atente muito ao clima para não passar aperto!

Se você planeja ir durante o inverno: leve segunda pele, fleece, anorack/parka, meias de inverno, gorros, luvas.

Se você prefere o verão: se prepare para chuvas. Capa de chuva, calça impermeável, calçado impermeável e daqueles que não escorregam na lama, mochila com capa de chuva.

 


Subindo até Machu Picchu: de Águas Calientes

Para subir até MP, há duas alternativas:

  1. Subindo a pé. Para isso, você deve sair às 4 horas da manhã para iniciar a subida que contém inúmeros degraus bastante inclinados. A subida leva em torno de 2 horas.
  2. Subindo de van. São U$20,00 pela subida e descida.
    Presente para quem sobe a pé

 


Melhor época

Os meses de abril a novembro são os ideias para quem quer ir a MP pelas trilhas, pois são os períodos mais secos.

Evite meses de fevereiro e março, pois chove muito.

 


Aclimatação

Todo mundo que vai para a região dos Andes e pesquisa um pouco antes, já leu algo sobre o “mal da altitude” ou “soroche”. Este mal é caracterizado por dores de cabeça, tontura, fraqueza, falta de ar, diarreias e vômitos. Isso é por estar acima de 2.000m acima do nível do mar.

O que fazer?

Descanse (dê tempo para seu corpo se acostumar com a altitude elevada), se hidrate, masque folhas de coca ou tome chá delas (não, não são drogas). Há também pílulas de Soroche que são vendidas nas farmácias locais e melhoram os sintomas do mal da altitude.

 


Estudante paga meia

Para ter esse benefício, é necessário ter a Carteira Internacional do Estudante (ISIC – International Student Identify Card). Mais informações aqui e aqui.

Para adquirir meia entrada para MP, você pode:

  1. Retirá-lo pessoalmente no escritório Regional de Cultura em Cusco, na Avenida de La Cultura nº238 – Condominio Huáscar (de segunda a sábado, das 7h às 18:30h);
  2. Gerar um boleto através do site (clicando em “Consultas” e depois em “Agencias”).

Lembre-se: não há reembolso. Verifique as datas antes de pagar o boleto.

Mais informações

 

Ponte Inca:

A Ponte Inca é uma ponte de madeira situada à beira do desfiladeiro do rio Urubamba. Para chegar até a Ponte, há uma trilha de 30 minutos.

Atenção: para quem tem medo de altura, este passeio não é recomendado.

 

Huayna Picchu (ou Waynapicchu)

Sabe aquela foto clássica que todos tiram quando vão a MP? Lembra de um montanha no fundo da foto? Aquela é Huayna Picchu.

Huayna Picchu ao fundo da paisagem

Esta montanha também pode ser escalada se você quiser. Basta verificar a disponibilidade de vagas para subir. São liberadas 400 vagas por dia, sendo 200 para o primeiro horário (7-8h) e 200 para o segundo horário (10-11h). Para conseguir o ingresso é preciso reserva-lo também. Basta entrar no site.

 

 

 

 

Informações adicionais sobre Huayna Picchu:

– Subir o Huayna Picchu não é igual subir Machu Picchu. São diversos degraus bem íngremes, o que exige disposição.

– A reserva para subi-lo é feita com mais antecedência já que o número de ingressantes diários é reduzido em relação a MP.

 

Dica: Se puder, vá no segundo horário (10-11h). No começo da manhã há muita neblina em MP e consequentemente em HP, o que dificulta a subida e também curtir a vista lá de cima.

 

Importante: em Machu Picchu não há como ir ao banheiro ou comer pois é proibido. Não se esqueça de ir ao banheiro e ter tomado um desayuno reforçado!

 

Curiosidade: Para conseguir a famosa foto que quem vai para MP tira, suba até essa casinha da foto. Lá você encontrará uma vista panorâmica de todo o sítio.

Suba até a casinha ao fundo (com um circulo azul)

 

Boa viagem!

Sobre Carina Takahama

Carina tem 26 anos, é farmacêutica e descobriu a palavra "mochilão" no meio da sua faculdade. Sua primeira experiência foi viajando com mais 16 pessoas que não se conheciam, mas queriam viajar um mês pela Bolívia, Chile e Peru. Desde então, não para mais de mochilar por aí. Tem sede de aventura e lugares inusitados com paisagens de tirar o fôlego.

2 Comentários

  1. Parabéns pelo post! Meu sonho é poder mochilar em Machu Pichu! – blogmeumapa.blogspot.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *