Home » América do Sul » Entre nuvens, rochas e montanhas – Parna do Itatiaia (Parte Alta)
Maciço das Prateleiras

Entre nuvens, rochas e montanhas – Parna do Itatiaia (Parte Alta)

Às vezes é necessário nos afastarmos das agitações do dia a dia e nos refugiarmos em um lugar onde a natureza impera e ofereça ar puro e tranquilidade.

Em um feriado prolongado de maio de 2015 surgiu uma oportunidade de conhecer a parte alta do Parque Nacional do Itatiaia (PNI), aceitei e fiquei impressionada com a beleza do lugar.

Fui com um grupo de amigos e o nosso objetivo era subir o maciço das Prateleiras e o das Agulhas Negras o pico mais alto do parque com 2.791, 55 m e o sexto mais do alto Brasil. Mas no final das contas fomos somente na pedra do Altar e nas Prateleiras, por sorte ou não, no dia de ir  no Agulhas Negras, chegamos no parque um pouco antes das 8 horas da manhã e já tinha atingido a quantidade máxima de pessoas.

Agulhas Negras
Agulhas Negras

Então para quem quer ir até o pico das Agulhas, aconselho chegar bem cedo devido ao controle de pessoas.

Uma das trilhas mais desafidoras que fiz até agora, foi a tentativa de ir até o pico das Prateleiras, tentativa por que desisti e não assinei o livro do cume, acredito que faltava uns 20% para chegar no pico, mas não tive coragem de encarar o paredão com subida em aderência e nem o pulo de gato onde seria utilizado a corda.

A parte boa é que fui até o meu limite, venci meus medos, conheci, aprendi e usei algumas técnicas básicas de escalada, pois era necessário saber a

Maciço das Prateleiras
Maciço das Prateleiras

partir de um trecho da trilha. Ainda bem que o guia e o grupo foram ótimos companheiros e tiveram paciência de ajudar as pessoas, tipo eu que tinha dificuldades (lê-se também medo) para ultrapassar alguns obstáculos.

A chegada até a base das Prateleiras é de nível moderado com alguns trechos íngremes. O visual da base vale toda a caminhada, é incrível ver aquelas rochas e nuvens, que quando vinha, trazia aquele vento gelado, por isso é importante levar um corta-vento ou uma touca.

Base das Prateleiras
Base das Prateleiras

Na base geralmente o pessoal faz uma pausa para o lanche, descanso e tirar algumas fotos iradas! Para os corajosos e aqueles que estão dispostos a chegar ao cume a base é apenas o começo da aventura. A partir da base começa a escalaminhada parte mais divertida e difícil, para os que não estão acostumados.

Antes de iniciar esse trecho tem até uma placa alertando que é necessário conhecer técnicas de escalada e ter os equipamentos de segurança necessários, mas com o auxílio de um guia tornou o passeio mais seguro.

O controle e segurança no parque parecem ser bem eficientes no parque, tem horário limite para fazer as trilhas e por estas ser de nível moderado a difícil o visitante ao chegar na parte alta, deverá preencher o termo de responsabilidade que está disponibilizado no site.

Os atrativos naturais são: Asa de Hermes, cachoeira das Flores, Morro do Couto, Pedra do Altar, Pico das Agulhas Negras, Prateleiras, cachoeira do Aiuruoca e Pedra Assentada e também tem as travessias Rancho Caído, Abrigo Água Branca, Serra Negra e a Ruy Braga.

Maciço das Prateleiras
Maciço das Prateleiras

Esse parque é cheio de diversão para quem tem espirito aventureiro e ama a natureza.

Dicas

Sair cedo e esteja sempre acompanhado de um guia, no site tem o nome dos condutores e suas respectivas categorias.  Importante agendar com antecedência.

Levar roupas de frio, touca, capa de chuva, se tiver tênis impermeável será melhor. Evite usar o tênis pela primeira vez para fazer trilhas de longa duração.

Tem banheiro na entrada (posto Marcão) e depois de caminhar 3 km só vamos encontrar outro no abrigo Rebouças.

Não tem restaurante no parque, portanto leve lanche, suco, água, o que achar melhor. Evite carregar mochilas grandes e pesadas, pincipalmente se você for subir o cume das Prateleiras, por que é difícil passar alguns trechos com peso nas costas a não ser que você já esteja acostumado.

Importante trazer todo o lixo que foi produzido de volta com você.

Quando ir?

O período do ano indicado para visitação é no final do outono e inverno quando o tempo está mais estável.

Onde fica? O parque fica na serra da Mantiqueira, abrange quatro municípios, dois no estado do Rio de Janeiro Itatiaia e Resende, Bocaina de Minas e Itamonte em Minas Gerais e não é tão longe do estado de São Paulo.  A cidade mais próxima da parte alta é Itamonte.

Onde dormir?

A parte alta tem o abrigo Rebouças, mas está fechado para reforma por período indeterminado, também áreas de camping no valor de R$ 6,00 a diária, é bom para quem pretende subir o pico das Agulhas Negras, devido ao controle de pessoas ou você terá que chegar bem cedo.

Fiquei na área de camping (R$15,00/ diária sem café da manhã) da

Camping
Camping

pousada dos Lírios em Itamonte. O chalé tem uma cama de casal e uma beliche por quarto, oferece café da manhã e janta por R$100/ diária). É uma da mais próxima do parque, porém a estrada de acesso à pousada é muito ruim, gastamos em média 40 minutos em uma estrada que a maior parte é de “pedregulho” da pousada até a entrada da parte Alta, posto Marcão.

Como chegar?

Saindo do Rio de Janeiro ou São Paulo, você deve seguir pela Rodovia Presidente Dutra (BR 116) até o povoado de Engenheiro Passos, 12 Km depois de Itatiaia. E seguir pela BR 354, na estrada Rio-Caxambú (Circuito das Águas) por 23 Km, até o local conhecido como Garganta do Registro, a 1.669 metros de altitude. A partir daí começa a subida de 14 km até o Posto Marcão.

Curiosidades

  • O Parque Nacional do Itatiaia foi o primeiro do Brasil, aberto desde 1937 e conta com uma área de 30 mil ha.
  • A parte alta é tradicional para a prática o montanhismo.
  • Itatiaia significa pedras pontiagudas em tupi guarani.
  • O sapo flamenguinho é o símbolo do Parna do Itatiaia e essa espécie só existe lá.PNI

Já foi no Parna do Itatiaia? Deixe seus relatos nos comentários.

beijos

Até o próximo post!

 

Sobre Jéssica Oliveira Vieira

Jéssica tem 23 anos, nasceu em Itapevi, cidade localizada na região metropolitana de São Paulo. Formada em Tecnologia em Hidráulica e Saneamento Ambiental. Gosta da natureza e de ambientes urbanos. Ama ler relatos de viagem e também de viajar. Aos poucos está saindo da zona de conforto e começando a se aventurar pelo mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *